quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Triathletas da Baixada Santista inscritos no IRONMAN BRASIL 2012

Lista atualizada em 29/02/2012
Mais um!
Já somos 30 a caminho de Floripa!

Nome
Categoria
Número
de Peito
Alceu Cremonesi Junior
M5054
1347
Alejandro Rodriguez Comas
M5054
2059
André Ricardo Lobão
M4044
405
Cézar Rodrigo de Matos Lopes
M3034
369
Charles Costa
M2529
1352
Cláudio Cintra Canalonga
M3539
2175
Cyro Pinheiro
M4549
843
Daniel Santos Peel
M3034
1005
Edney Batista
M3539
1348
Eliziário dos Santos (Motorzinho)
M5054
1971
Fernando de Araújo Moncorvo
M4044
2184
Fernando Teixeira Rocha
M4044
1431
Francisco Sartore Mendes Perez (Chiquinho)
M3034
2214
José Alves Siqueira Jr.
M4044
765
Julio César Paterlini
M4549
1210
Laércio Rodrigues da Silva
M4549
850
Luciano Dimas Barbieri
M5054
623
Manoel Roberto Jesus Pires jr.
M4549
662
Márcio Torres
M3034
531
Marco Antonio Pinheiro Cyrino (estreando M55/59)
M5559
604
Marcos Eduardo Garcia
M3539
826
Maria Lúcia Feitosa Gonçalves (Dona Lúcia)
F5559
463
Ricardo Moreira Pinto
M4044
398
Rodrigo Fiorentini
M3034
498
Romeu Cândido da Silva Jr.
M5054
415
Roberto Marques Campos
M3539
696
Rubens Carlos
M4549
1356
Tales Damato
M2529
939
Thays dos Santos
F1824
275
Tiago Selofite Inácio
M3034
216
Total
30

Seu nome não está nesta lista?
Conhece algum Triathleta da região, que não esteja nesta lista?
Por favor, informe através de um Comentário.

Veja a relação completa, aqui: Ironman BR 2012 - Inscritos

Marco Cyrino

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Triathletas da Baixada Santista inscritos no IRONMAN BRASIL 2012

Lista atualizada em 28/02/2012
Mais um!
Quase 30 a caminho de Floripa!

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Do Surf ao Triathlon

Estive tentando resgatar na memória meus primeiros passos no esporte.
Com isto, cheguei à conclusão de que, na década de 70, de certa forma eu já era um Triathleta.
Premonição? Talvez.
Necessidade? Com certeza.

Recapitulando
Apenas para melhor entendimento do texto a seguir, tivemos, minha família e eu, uma vida duríssima quanto ao aspecto financeiro, praticamente vendendo o almoço para comprar o jantar.

Meus irmãos começaram na "labuta" muito cedo.
Eu não fiquei atrás. Com 13 anos comecei a trabalhar.

Comprar uma prancha? Uma bike?
No money!

Iniciação em natação
Até meus 13 anos, tudo o que eu queria e sabia fazer, com relação a esportes, era jogar futebol.
Muitos campos de futebol em Santos, e uma praia excelente para essa atividade. Inclusive e principalmente, de graça!
E, modéstia a parte, eu jogava muito bem.

Só que, nessa época, fui "iniciado" no surf.
No Brasil, conseqüentemente em Santos, o surf era muito precário.

Minhas primeiras pranchas foram verdadeiros "tocos" ganhos de amigos um pouco mais abastados, que jogavam fora suas pranchas já inutilizadas.
Depois de alguns remendos com qualquer coisa que encontrava pela frente, conseguia fazer o "toco" boiar novamente, e me jogava no mar.

Treinos forçados
Cordinha? Ainda não haviam inventado.
Cair na onda, tomar uma vaca, perder a prancha numa sessão de surf no Itararé, significava ter que nadar pelo menos uns 400m até a praia, para resgatar o "toco", e tomando muitas ondas na cabeça.

Aprendi a nadar na raça, com a cabeça fora da água, respirando do jeito que desse, sem a menor noção de que existia um esporte chamado natação.
Na verdade, eu praticava (acho que ainda pratico) "salvação"... rsrsrs
Uma sessão de 2 horas de surf resultava num bom treino de "salvação", com pelo menos 2 idas até a areia, para buscar a prancha.

Iniciação em ciclismo
Como trabalhava a semana inteira, só era possível surfar nos finais de semana.
Infelizmente, ondas boas em Santos eram e são um tanto raras.
Quem surfa e trabalha depende de certa dose de sorte, para que as ondulações certas cheguem também no momento certo, ou seja, nos finais de semana e feriados.

Porém, razoavelmente perto de Santos, existem as praias do Guarujá que, por estar em uma ilha (Ilha de Santo Amaro) localizada mais a Leste, em relação a Santos, recebe ondulações melhores e mais freqüentes.
Além disto, suas praias de tombo têm um fundo melhor para prática do surf.

Santos também se localiza em uma ilha (Ilha de São Vicente), porém é praticamente "abraçada", parte pelo continente e parte pela própria Ilha de Santo Amaro, o que dificulta a entrada de ondulações de várias direções. Apenas as ondulações de Sul entram "limpas" em nossas praias.

Pedalando para surfar
Assim, aos finais de semana, eram constantes nossas idas às praias do Guarujá.
Praia do Tombo e Pernambuco eram e são as preferidas.

Das balsas de Santos (Ferryboat), até a Praia de Pernambuco, são aproximadamente 15 km.
De onde eu morava (bairro do Macuco) até às balsas, são aproximadamente 6 km.

Íamos de carro? Que carro?
Íamos de bike? Sim! Que bike? Uma Monareta de um camarada.

Ônus por usar a bike: transportar o maledeto no cano da bike, pedalando os 21 km de ida, com os joelhos abertos, e levando mais duas pranchas pesadíssimas.
Verdade seja dita. Revezávamos...
Ele pedalava uns 5km, eu pedalava os outros 16km... rsrsrs

Na volta a tortura era maior, pois além do cansaço do surf, fatalmente pegávamos vento contra, e as duas pranchas se transformavam em pára-quedas abertos.
O que nos impulsionava na ida era a enorme vontade de surfar, e na volta a enorme vontade de comer.

Iniciação em pedestrianismo
Ondas em Santos. Ôba!
Apenas uma pequena caminhada até o Itararé, em São Vicente, com a "pranchinha" embaixo do braço.
Uns 6 ou 7 km, dependendo do local em que iríamos cair no mar.

Ao chegar à praia, no canal 4, faltando ainda uns bons quilômetros até o Itararé, dependendo das condições do mar, a caminhada começava a se tornar um trote e terminava em uma corrida alucinante para não perdermos mais tempo.

Íamos descalços, sem camisa, sem dinheiro, sem nada.
Apenas bermuda, prancha, e algumas velas que serviam de parafina para passar na prancha.
Acho que devo a isso a mania de fazer provas descalço, quando comecei a participar de Triathlons (v. Triathleta da Idade da Pedra).

Na volta, a caminhada ia se tornando também um trote, e finalizava com uma grande corrida, dependendo da temperatura do asfalto (verão), ou do frio congelante (inverno).

Apesar das dificuldades e improvisos, esse foi um período ótimo.
Aliás, como muitas pessoas já disseram, é passando por dificuldades que a gente se fortalece.

Marco Cyrino

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Perigo e irresponsabilidade no mar

Sábado de carnaval, no final da tarde, uma menina de apenas 3 anos de idade foi atropelada e morta por um Jet Ski, à beira do mar, na Praia de Guaratuba - Bertioga.

O equipamento estaria sendo pilotado por um menor de idade.
A notícia foi amplamente divulgada em todas as mídias.

Agora, o advogado do menor alega que este haveria apenas dado a partida (ignição) no Jet Ski, e que o equipamento teria saído em velocidade, sozinho.
São os milagres da tecnologia...
Não quero me aprofundar mais, a respeito desse fato, até para não extrapolar os limites.

No domingo de carnaval, um dia após essa tragédia, fui nadar próximo ao "Pirulito" (farol) do Canal 6, aqui em Santos, situado a uns 300m da areia, no máximo.

Constatei que uma variedade de embarcações, de todos os tipos, Jet Skis, lanchas, e até um iate de grande porte, circulavam livremente por ali, sem respeitar as distâncias legais da faixa de areia.

Estou indignado.

Hoje, 5ª feira, vi imagens gravadas pela manhã, no jornal da TV Tribuna, filiada da rede Globo aqui no litoral, mostrando menores de idade (verdadeiras crianças) sozinhos em Jet Skis, na Ponta da Praia, mesmo local em que nadei no domingo.

Fiscalização?
Pelo visto, nenhuma.
Estão esperando acontecer outra tragédia?
Todo verão é a mesma coisa.
Será tão difícil viver em sociedade, respeitando as regras e os direitos dos outros?

Marco Cyrino

Pizza na Creche - Ação de Solidariedade - 28/02/2012

Divulgamos esta ação solidária mensal, dos irmãos Cidral, da Pizzaria Kokimbos.
Vejam o banner, abaixo.
Mais informações sobre o último evento realizado, aqui.
Marco Cyrino

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Carnaval - Folia de treinos

Aê galera, é Carnaval! 
Bóra treinar!!!

Como sabemos, é raro, raríssimo, que nós, digníssimos trabalhadores deste Brasil varonil, tenhamos 4 ou até mesmo 5 (para quem não vai trabalhar na 4ª feira de cinzas) dias de folga.

Então, chega de perder tempo e vamos tirar todo o atraso.
Treinar intensamente todos os dias como se fossem os últimos.

De preferência dobrando o volume e a intensidade dos treinos prescritos (sem comentar com o treinador, claro).

Se possível fazendo transições todos os dias, afinal é uma oportunidade única.

CLARO QUE ESTOU BRINCANDO!

Mas posso apostar, sem medo de perder, que muitos atletas farão isso.

Treino perdido é treino perdido, punto e basta!
Não sei onde já ouvi isso... rsrsrs

Aproveitem para treinar, com mais tempo para dedicar à boa alimentação, hidratação, descanso e alguma atividade com a família, amigos, etc., pois isto sim é raro que tenhamos.

E cuidado com os treinos nas estradas porque já sabemos dos riscos representados por "motoristas etílicos".

Bons treinos, bom Carnaval e bom descanso a todos!

Marco Cyrino

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Ironman - O amor de um pai por um filho (texto e vídeo)

Embora este vídeo venha sendo divulgado há um bom tempo, fazemos questão de registrar aqui, sem receio de lugar comum, esta inspiradora história de amor e dedicação de um pai ao seu filho, expressos principalmente através do esporte.

Leiam o que segue, antes de assistir ao vídeo.

Resenha
Antes de focalizar a história central, o vídeo apresenta o processo de registro de Triathletas com necessidades especiais, na 25ª edição do Ironman, dentre eles Richard Holcomb, cego, 58 anos de idade, tentando pela segunda vez completar o Ironman.
Suas palavras:
- É mais do que uma competição, é uma realização da qual nos lembraremos pelo resto da vida..."

Na linha de largada, estão Dick e Rick Hoyt.
Sua história passa a ser contada de forma de retrospectiva.

Em seu primeiro ano de vida, Rick é diagnosticado portador de paralisia cerebral.

Os médicos aconselham a família a interná-lo em uma "instituição", devido às graves deficiências locomotoras e de desenvolvimento intelectual, inexoravelmente causadas pela doença.
Referem-se a ele como alguém destinado a se tornar um "vegetal" (sic).

Os pais, confiando em sua própria percepção, na possibilidade e no desejo de comunicação que o filho lhes transmite apenas através do olhar (sic), decidem levá-lo para casa e criá-lo, tanto quanto possível, como uma criança normal.

Com sacrifício, conseguem um computador adaptado de forma que Rick possa se comunicar (movimentando o cursor do mouse, através de toques sucessivos em um interruptor, usando a lateral da cabeça).

Desde cedo, Rick manifesta seu entusiasmo por esportes.
Suas primeiras palavras, escritas ao computador, foram de incentivo ao time: - Go Bruins!

Quando um colega de escola sofre um acidente e se torna paraplégico, Rick manifesta a vontade de participar de uma corrida beneficente (5 milhas) organizada em favor amigo.

O pai concorda em atender ao pedido, mesmo estando completamente fora de forma e mesmo sabendo o que estaria envolvido em viabilizá-lo.

Participam da corrida, após a qual Dick fica duas semanas de "molho"...

Após a corrida, Rick diz ao pai:

- Papai, quando estamos correndo, sinto como se eu não tivesse deficiências. (sic)

Esta mensagem poderosa faz com que o pai adote o esporte como a forma mais efetiva de estar com seu filho, de fazer algo de bom por ele.

Um dia, Rick pergunta ao pai se este correria uma maratona com ele.
O pai responde: Sim!
E ambos correm juntos sua primeira maratona.

Seguiram-se outras maratonas e também Triathlons...

Então, um dia, o filho pergunta ao pai se este faria o Ironman com ele.
E o pai novamente responde: Sim!

Seriam "apenas" 3,9 km de natação, 180 km de ciclismo e 42,2 km de corrida, algo que ele definitivamente tentaria fazer, por amor ao seu filho.

Na época da prova, Roy, um ex-militar, então com 59 anos, recuperava-se de um ataque cardíaco (que não teve maiores conseqüências justamente devido à excelente forma física em que se encontrava).

O vídeo fala por si só.
Assistam...


Continuando...
Até a data desta compilação, a Equipe Hoyt já havia participado de mais de 60 Maratonas, mais de 200 Triathlons, e 6 Ironmans, dentre outras incontáveis competições.

Seu trabalho e sua participação nesses eventos estão agora também conectados à Fundação Hoyt, cujo objetivo é levar esperança às pessoas portadoras de necessidades especiais, e encorajá-las a viverem seus sonhos.
-
Fontes
Hoyt Foundation
Websites - Snopes, Ironman, NSBC etc.

Indicação via Publique!
Alceu Cremonesi Jr.

Tradução e compilação
3 Athlon na Veia

Marco Cyrino

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Triathletas da Baixada Santista inscritos no IRONMAN BRASIL 2012

Lista atualizada em 09/02/2012

Mais um! Quase 30 a caminho de Floripa!

Nome
Categoria
Número
de Peito
Alceu Cremonesi Junior
M5054
1347
Alejandro Rodriguez Comas
M5054
2059
André Ricardo Lobão
M4044
405
Cézar Rodrigo de Matos Lopes
M3034
369
Charles Costa
M2529
1352
Cláudio Cintra Canalonga
M3539
2175
Cyro Pinheiro
M4549
843
Daniel Santos Peel
M3034
1005
Edney Batista
M3539
1348
Eliziário dos Santos (Motorzinho)
M5054
1971
Fernando de Araújo Moncorvo
M4044
2184
Fernando Teixeira Rocha
M4044
1431
Francisco Sartore Mendes Perez (Chiquinho)
M3034
2214
José Alves Siqueira Jr.
M4044
765
Julio César Paterlini
M4549
1210
Luciano Dimas Barbieri
M5054
623
Manoel Roberto Jesus Pires jr.
M4549
662
Márcio Torres
M3034
531
Marco Antonio Pinheiro Cyrino (estreando M55/59)
M5559
604
Marcos Eduardo Garcia
M3539
826
Maria Lúcia Feitosa Gonçalves (Dona Lúcia)
F5559
463
Rodrigo Fiorentini
M3034
498
Romeu Cândido da Silva Jr.
M5054
415
Roberto Marques Campos
M3539
696
Rubens Carlos
M4549
1356
Tales Damato
M2529
939
Thays dos Santos
F1824
275
Tiago Selofite Inácio
M3034
216
Total
28

Seu nome não está nesta lista?
Conhece algum Triathleta da região, que não esteja nesta lista?
Por favor, informe através de um Comentário.

Veja a relação completa, aqui: Ironman BR 2012 - Inscritos

Marco Cyrino