sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Challenge Floripa 2017 - Relato de Prova


Desta vez não houve o vento fortíssimo de 2014, quando a natação teve de ser abreviada, tamanha a dificuldade de nadar naquele mar.

Também não teve o clima super agradável que me contaram que fez em 2015.

Muito menos o ciclone de 2016, que acarretou o cancelamento da prova (veja em Challenge Floripa e as forças da Natureza).

Mas ele apareceu... o vento.

Tô até ficando cabreiro.

Parece que nos últimos anos eu atraio vento ou chuva para as provas.
Inclusive nos 2 últimos Irons em Floripa (2016/17), com chuva do começo ao fim.
Brincadeira.
Começa que, se é ruim pra mim é ruim pra todos. E termina que, se a gente quisesse moleza, ficava comendo pipoca no sofá de casa, assistindo novela.
Não que eu não faça isso... eventualmente... rsrsrs


Vamos ao Relato de Prova...


Pré-largada

No dia anterior, sábado, o clima estava ideal para a prova. Ameno, sem vento, o mar parecendo uma piscina.
Na manhã... Ôps... madrugada do domingo... ao sairmos para a prova... ventava. Aquele vento maral.

Chegamos à transição e fui arrumar a alimentação e a hidratação na bike.
Escuro ainda... 5:00h da matina. Isso é hora de gente de bem estar acordada? Claro que é...
Encontra uns conhecidos daqui, uns amigos dali, conversa vai, conversa vem.
Ôpa... dia clareando e o vento soprando...

Hora de vestir parcialmente a roupa de borracha, porque esse friozinho "madrugal" faz perder bastante calorias... calorias essas que devem ser usadas na prova.

Todo mundo já indo para a areia, para a largada do Sprint que seria e foi às 06:10h.

Eu e a Neuza ficamos sentadinhos numa mureta, meio protegidos do vento, entre a transição e a praia.

06:00h em ponto... fiz meu pequeno retiro e minhas orações pedindo saúde e proteção a mim e a todos os que participariam das provas, como atletas ou acompanhantes.

Minha largada seria e foi às 06:40h.

Vimos, já na areia, a largada e a chegada da natação dos primeiros atletas do Sprint.

O tempo realmente voa.
Olhei no relógio e... 06:30h.

Nem tive tempo, por conta de perrengues que acontecem, de dar uma treinadinha no mar. Seriam surpresas a temperatura, as condições, etc.

Ainda perguntei sobre isso ao meu mais recente amigo, o Leandro, já que ele havia se aquecido na água. Ele me tranqüilizou dizendo que, apesar do vento, estava com uma boa temperatura.


Natação

O vento diminuiu um pouco. Ainda bem... estava muito chato.
Larguei na frente, mas, saindo de banda.
Na frente para, eventualmente, não perder tempo. De banda, para não atrapalhar e não tomar porrada.

Apliquei minha estratégia de nadar calma e progressivamente.
A 1ª bóia estava a uns 300 m da praia.
A 2ª bóia, à direita e paralela à praia, parecia estar a uns 850 m da 1ª.
Depois, nadávamos em direção à praia por uns 150 m e voltávamos, novamente paralelamente à praia, até perto da largada.
Daí, virávamos à esquerda e era só chegar à areia.

Minha impressão foi de que teve "muuuuita" água.
Muitos atletas tiveram a mesma impressão.
Outros muitos tiveram a impressão contrária.
Depois da prova, conversando com atletas de todas as categorias, cheguei à conclusão de que a distância estava correta: 1.900m bem medidos.

Na 1ª bóia, estava entre os últimos da minha largada.
Na 2ª bóia, já bem mais longe, dei uma checada para trás e já havia uma meia dúzia de gatos pingados atrás de mim.
Virei na 3ª bóia e fiz o retorno.
Quase chegando à última bóia, dei mais uma checada e a meia dúzia se transformou em algumas dúzias.

Em nenhum momento estou depreciando a performance de qualquer atleta. Se um dia fizer isso, podem me cobrar.
O intuito é tentar passar um pouco da minha experiência.
Já fiz muito isso.
Sair nadando muito forte e não conseguir manter o ritmo.
Pior... sair da natação "afogado", com a FC lá em cima.

Retirei a roupa de borracha ainda dentro do mar... recomendo muito isso, dependendo da distância a percorrer até à transição... e senti minha FC bem regulada quando cheguei à minha baia da bike.


T1

Desta vez, acho que exagerei.
Levei "abastecimento" praticamente para um Ultraman.
573 sanduichinhos, 3 pacotes de amendoim japonês, 28 gels, 15 barras de proteína, 450 cápsulas de BCAA, 18 cápsulas de sal, 17 paçoquinhas..

Fora 13 caramanholas de Carbo da marca "*&%@##%¨ e um galão de 5 litros de água mineral.
Kkkk

Quantidades à parte, levei essas porcarias mesmo...

Difícil é colocar tudo isso na roupa e na bike, nas quantidades corretas (não, evidentemente nas mencionadas acima).
Além de colocar capacete, óculos, luvas (acho que perco tempo com elas, mas não as desprezo em provas longas), etc.


Ciclismo

Tudo arrumado, finalmente.
Bóra pedalar.
Início da 1ª volta e... pedalando a 19, 20, 21... no máximo 22 km/h... e fazendo força... que p.... é essa ?
Depois de uns 15 ou 20 minutos pedalando, ultrapassei um atleta a 24 km/h (marcados no meu Cateye) e perguntei:

- "Quanto tá marcando tua velocidade?"
- "36 km/h."


Meu Cateye tá pirado?

Lembrei!

Deixei minha bike pra fazer revisão na oficina e loja em que sempre confiei, embora já tenha passado alguns pequenos perrenguinhos com eles.
Mas, como sempre, dou o devido desconto.
São conhecidos, etc.

Desta última vez, pedi para trocarem a bateria do equipamento.
Sim, já tive GPS da marca *&&&$#(_) e não me adaptei.
Sou Ogro.
Voltei ao bom e velho Cateye, cuja bateria acabou e pedi para trocar.

O "xxxxxxx" me disse que não tinha a bateria, mas pegaria de algum equipamento lá.
Disse-lhe que então eu levaria a bateria.
Ele me disse pra não esquentar a cabeça que ele faria a troca.
Acreditei.

Ao pegar a bike, na véspera da viagem, a bateria não estava trocada.

Dei uma reclamadinha e o "yyyyyyy" pegou um equipamento, tirou a bateria e fez a troca.
Perguntei se tinha feito os ajustes no Cateye e ele disse que sim... até mesmo o ajuste do relógio.

Dei uma girada na roda pra ver se estava registrando o movimento e estava mesmo.

Nada como confiar nas pessoas.

Por conta dos perrengues que tive que correr atrás, lá em Floripa, nem tive como testar a bike.
Mas confiança é confiança.

Bom... depois de uma, duas, três... deixei de ser freguês.
Só pra rimar.
Simples assim.

Não tenho rabo preso com ninguém.
Consumidor que sou, continuarei consumindo até quando Nosso Pai Oxalá me permitir.
Sou fiel enquanto forem fiéis comigo.


Voltando ao pedal...

Monitorar pelo Cateye nem pensar.
Vamos monitorar pelo cronômetro.

Ah... mas só dando risada mesmo.
Olhei nele e estava com um tempo ótimo... 45 min de prova cravados.
Pedalei mais uns 10 minutos e...
45 min de prova.
Taquepariu... devo ter parado o cronômetro ao colocar as luvas... kkkk
Que burro!!!
Aí, vou colocar a culpa em quem?

Bóra fazer a prova na base do achômetro.

Pedalava, comia. Pedalava, bebia. Pedalava, comia e bebia. Pedalava, bebia e comia.
Passava em cada posto de hidratação e pegava isotônico e água... dava uns goles em cada e... segue o jogo.

Final da 1ª volta, o vento aumentou.
2ª volta inteira com vento bem mais forte.

Eu reclamando pra mim mesmo.

Sem noção de velocidade, tampouco de tempo de prova.
Tinha resolvido fazer a prova na percepção de esforço.

Ao fazer a subida do Cacupé, na ida da 2ª volta e, ao perceber o quanto estava quente, uma vez que meu capacete virou uma torneira de suor, resolvi aliviar muito o esforço do ciclismo.
E ainda levei em consideração os conselhos do Silvão... pra subidas...

Pensei:
-"Essa é daquelas provas em que muitos vão quebrar na corrida... prova enganosa".

E assim foi.

Cheguei do pedal.


T2

Transição em local diverso da T1.

Cheguei junto com um camarada da categoria.
Saímos juntos também.
E me sentindo bem pro último desafio de 21 km de corrida, depois dos 90 km de pedal e dos 1.900m de natação.
O 1º km é sempre um medidor de como estamos.
Pensei que até então tinha feito tudo certo.

Não estava pensando em resultado.
Minha perspectiva era, juro, estar entre os 5 primeiros, mesmo sabendo que iriam ser premiados apenas os 3 primeiros.


Corrida

Ao final da 1ª de 3 voltas de 7 km cada, não tinha a menor noção de quem, da minha categoria, estava à frente ou atrás.
A gente se cruzava a toda hora, indo e vindo, mas o percurso não me permitia saber a respeito de colocação.
Tinha absoluta certeza de que estava dentro da minha previsão. Entre o 4º e o 5º colocado na categoria.

Ao final da 1ª volta a Neuza gritou:

-"Anjo... tu tá em 3º".

Respondi:

-"Não... estou em 4º ou 5º... tu tá vendo numeração errada... kkk".

Durante toda a corrida também procurei manter o foco na hidratação e na prova, sem me preocupar com resultado. Tentei fazer apenas o meu melhor.

Fazendo bastante força no pedal e na corrida, a musculatura anterior da coxa começa a reclamar.

A partir da 2ª volta, travei uma amizade inesquecível com uma árvore.
Sempre que passava por ela... fosse na ida ou na volta... dava uma paradinha de uns 15 segundos para alongar essa musculatura, que travada já estava... me agarrava nela como se da família fosse... kkk

Na 3ª e última volta, a única em que temos um pouco de noção de nossa posição na prova, via muitos atletas atrás. De todas as categorias.
Da minha ninguém.
Pensei... 4º, 5º, 6º, que importa?
Importa que estou concluindo mais uma empreitada saudavelmente e me sentindo muito bem.

Uêba...
Já estou chegando...

O Ironman não permite mais a chegada com a família... o Challenge não só permite, como incentiva.
Tenho opinião contra e a favor isso.
O contra é devido aos excessos, apenas isso.

Então... venha comigo, Neuzita... é nóis.... tamujunto... misturado já é redundância.

Feliz da vida.


Pós-prova

Quase caí depois da chegada, por conta das dores na musculatura anterior das coxas.
Mas, tava valendo.
Recebi medalha, recebi a camiseta de Finisher, fui comer, beber (cerveja sem álcool), dar uma descansada e....

Eram umas 13h e pouco... premiação prevista para as 16h.

Ah... mas não vou esperar mesmo. Até porque, na minha concepção, não teria direito sequer ao troféu de 3º colocado.

Cansado... esgotado... dolorido...
Ainda não tenho noção do meu tempo na prova... creio que foi por volta de 6:15 a 6:30h...
Os resultados oficiais ainda não saíram (depois escreverei sobre isso e outras coisas).

Bóra pra Pousada descansar...

Neuzita me convenceu a aguardar os resultados...

Vou te falar... maior embaço.

Tomei 2 brejas (pequenas) alcoólicas... comemos 1 pizza brotinho... tomei água bagarayo... etecétera e tal.

Daí, por volta das 15:30h, começaram a premiação dos ganhadores da prova.
Os tops.
Aí, demorou mais um pouco ou muito e anunciaram que iriam começar a premiação dos "age groups".

Fui lá e exigi meu direito de saber o resultado de acordo com o Estatuto do Idoso... ou seja, primeiramente...kkk

Mesmo brincando, parece que fui atendido.

Premiaram primeiro os Revezamentos e depois começaram a premiação por grupos de idade.

O locutor disse:

- "Vamos começar pelos mais experientes:"

Gostei!!!

Veio logo a minha categoria...

- "Na categoria Masculino 60/64 o campeão foi: Marco Antonio Pinheiro Cyrino"

Se estivesse sentado, tinha caído da cadeira.
Como estava de pé... sentei no chão.
Sequer imaginava pegar o pódio com o 3º lugar. Que dirá o 1º?


Apenas agradecer a tudo e a todos. Sempre.

Silvão, como sempre, mandou muitíssimo bem no planejamento dos meus treinos, mesmo tendo que lidar com os perrengues que citei lá em cima, mas não vou falar porque faz parte.

Minha família e a Neuzita e sua família, que na verdade é minha também.

Ainda, recebi o "Convite Oficial" para participar do Mundial do Challenge Half em Samorin, Eslováquia, em Junho de 2018.
Pensando a respeito.

Depois vou publicar mais a respeito da minha opinião com relação à organização da prova, às amizades, às imagens, etc.

Se fosse fazer tudo junto, como falo ou escrevo muito, não daria liga.


Aloha !!!

3AV
Marco Cyrino


3 comentários:

  1. Parabéns Marcão. Mais um relato primoroso. A propósito tenho um amigo que pratica kitesurf, é pediu pra vc passar lá. Ele precisa de vento. Kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkk.....o dia que eu fizer uma prova no Nordeste, pode marcar a final do mundial de kitesurfe, porque vai ter as condições ideais....huahuahua.

      Excluir
  2. Tento apenas ser um facilitador das coisas e me empenho para isso !!
    Parabéns mais uma vez, tiozão !!
    Champs dos véios !!!

    ResponderExcluir